Tuesday, October 31, 2006

A LUA NASCE PRA TODOS

"A poesia adormece
Em qualquer lugar
No lixo, no luxo
Na terra, no mar
Numa página esquecida
Num canto qualquer
Numa folha vazia
Cheia de sentimentos
Num inverno, num verão
Verão a poesia florescendo....
Primavera e tormentos....
A poesia acontece
Enquanto tomo café
E penso nos meninos nas ruas
Sem leite, sem fé
Apenas com o chão e os pés
Mas com a prata da lua como teto
Ilusão de igualdade
No disfarce das cidades
Enquanto tira-se a vida
E o vermelho escorre no muro
Atiro poesia no azul
Que contorna tudo.... "

(Raiblue)

1 comment:

GustavoAdonias said...

Todo dia o sol se levanta e nos traz de volta à realidade cotidiana. Mas o que traz certo alívio é que logo a lua chega, cheia de significados, mas escondendo sonhos e desejos. A lua, como a poesia, se multiplica e se faz onipresente, como um olho que a tudo observa. Olha os prazeres, vela pelas misérias, enxerga além de tudo, iguala todo mundo, mesmo que essa igualdade seja mera aparência, inútil ilusão. A lua enfim, derrama-se em todos nós. A lua brilha nos campos de guerra e nos jardins calmos onde a poesia nasce, onde ela atira seu azul e desaparece no ar, no mar, no amar....

Muito linda sua poesia....