Wednesday, October 25, 2006


MÁQUINA DO VIVER

"A máquina automática do viver
Permanece lubrificada
Afiada e polida
Moendo o pólen da vida
E as cascas das feridas
Reciclando ilusões
Cortando sensações
Lógica indiferente e fria
Peças e engrenagens
Insuspeitável sedução
Armadilha mortal para o coração".

(Gustavo Adonias)
*Poesia registrada na Biblioteca Nacional*

3 comments:

Raiblue said...

Adorei!Parabéns,meu poeta maravilhoso!!

A máquina automática do viver continua afiada e polida...fria...indiferente...somente os corações dos poetas permanecem quentes ,transformando as geleiras da vida moderna em um mar de poesias submersas na aparente frieza da realidade...

Que bom podermos mergulhar juntos nesse mar...

beijos,meu lindo...

Raiblue said...

Adorei!Parabéns,meu poeta maravilhoso!!

A máquina automática do viver continua afiada e polida...fria...indiferente...somente os corações dos poetas permanecem quentes ,transformando as geleiras da vida moderna em um mar de poesias submersas na aparente frieza da realidade...

Que bom podermos mergulhar juntos nesse mar...

beijos,meu lindo...

Raiblue said...

Adorei!Parabéns,meu poeta maravilhoso!!

A máquina automática do viver continua afiada e polida...fria...indiferente...somente os corações dos poetas permanecem quentes ,transformando as geleiras da vida moderna em um mar de poesias submersas na aparente frieza da realidade...

Que bom podermos mergulhar juntos nesse mar...

beijos,meu lindo...