Monday, March 15, 2010



O TEMPO ARDE


Tempo cronometrado


Devorando seus filhos


Destruíndo todas as certezas


Agreste, áspero


Ampulheta, areia do deserto


Calmaria e tempestade


O tempo arde


E sem mais demora leva o homem


Pelo labirinto sem volta


Mas o tempo sabe


Que os sonhos ardem mais do que ele...



(Gustavo Adonias)



*Poesia registrada na Biblioteca Nacional*


2 comments:

LiLa BoNi said...

Gostei de estar aqui...e vc nunca me convidou!!
Volto!!!
Beijos !!!!!

Rose said...

Gustavo,
Parabéns pelo dia que te abraça e faz que compartilhas o braseiro que tens no peito em tão lindas poesias... Uma explosão de tantos sentimentos.

Um abraço, Rose.