Wednesday, February 18, 2009


SAGA DA PALAVRA


Letras minguadas

Aguadas sílabas

Vão escorrendo

Pela fria vidraça

Formando palavras-casulos

Nascedouros de palavras-borboletas

Ninhos de palavras-passarinho

Toda uma fauna e flora de palavras

Desabrocham de mansinho

Assim que a fina pena toca

O relevo alvo do papel

Poéticas pálpebras se entreabrem

E a molhada lágrima-palavra

Leva e lava a estrada

Rumo à palavra-enseada

Velas-palavras abertas da alma

A derramarem-se no oceano da poesia

E sumirem tão calmas

Como surgiram...


(Gustavo Adonias)


*Poesia registrada na Biblioteca Nacional*

1 comment:

Marcos said...

Muito bom, Gustavo! Palavras suaves num poema de plumas de passarinhos.